Saiba porque venezuelanos estão se recusando em sair de rodoviária para abrigo

Manaus/AM – A Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), com o apoio do Oasis Acolhimento de Famílias e do Alto Comissariado das Nações Unidas (Acnur), iniciaram nesta terça-feira (11) a transferência de imigrantes venezuelanos que estão acampados no entorno da rodoviária.

No entanto, um grupo de venezuelanos se recusou a sair do acampamento e ir para abrigo. Segundo a (Sejusc) os refugiados solicitaram acolhimento em quartos individuais e o recebimento de aluguel social pago pelo Governo do Amazonas.

No total, 13 vagas foram destinadas aos venezuelanos no abrigo Oásis. Mas segundo a (Sejusc), dos 13 que haviam concordado em ir para o acolhimento no abrigo, 12 desistiram e recusaram a transferência, apenas um deles aceitou ir para o local. De acordo com o refugiado, ele precisa ter um endereço fixo para regularizar a documentação e assim, conseguir um emprego para futuramente trazer sua família da Venezuela.

De acordo com a Sejusc, a transferência dos 13 venezuelanos para o abrigo Oásis já estava acertada desde a semana passada, após terem sido feitas reuniões com representantes da sociedade civil organizada e secretarias do Estado e do Município. Havia sido acertada uma ação conjunta entre os órgãos para acolher e transferir os refugiados. Conforme a Sejusc, após uma triagem, foram selecionados para ir para o abrigo mulheres e crianças menores de 5 anos que apresentavam doenças de pulmão, além dos três homens adultos. Todos já haviam aceitado ir para o abrigo.

Anúncios